“Temos, em "Nosso Lar", no que concerne à literatura, uma enorme vantagem; é que os escritores de má-fé, os que estimam o veneno psicológico, são conduzidos imediatamente para as zonas obscuras do Umbral. Por aqui não se equilibram, nem mesmo no Ministério da Regeneração, enquanto perseveram em semelhante estado d’alma”.

André Luiz, no livro Nosso Lar, pagina 98.

O Apóstolo Paulo, na parte final de O Livro dos Espíritos, questão 1009, comenta que nosso objetivo final é o de gravitarmos em torno do Criador. É o mesmo que dizer que, em determinado tempo de nossa evolução, quando conseguirmos nos libertar de todas nossas imperfeições, seremos tão sábios que, felizmente, comungaremos com o Pai. Será o tempo de compreender toda a verdade e seguirmos adiante, realizando a arte da co-criação, trabalhando pelo Universo, num espírito de total irmandade, auxiliando aos que ainda não atingiram tal patamar.

 

 

Falando sobre o processo de evolução da humanidade, o Espírito Lázaro comenta que “no seu ponto de partida, o homem só tem instintos; mais avançado e corrompido, só tem sensações; mais instruído e purificado, tem sentimentos; e o amor é o requinte do sentimento”. (LÁZARO, p. 111)

Aprendemos a pensar e nos tornamos humanos. Quando aprendermos a amar, teremos atingido a grande meta. Nesta escada que nos leva à perfeição, ocupamos degraus variados, mas com características em comum: todos estamos ainda distantes do topo, apresentando, portanto, inúmeras dificuldades, exteriorizando desequilíbrios, complicações, próprios de nossa personalidade ainda imperfeita. Uns mais adiantados, já conseguem dominar suas más tendências, numa luta intima constante. Outros demoram-se nas atitudes recalcitrantes, promovendo desequilíbrios em torno de si, graças a seus próprios desequilíbrios.

A boca fala daquilo que o coração está cheio”, disse-nos Jesus. (Mt 15,18).

Pois bem. E do que está cheio nosso coração?

Para obtermos a resposta, analisemos nossa forma de nos comunicar. No caminho da evolução é imprescindível passarmos pela esquina do autoconhecimento. Se existe tanta morosidade em nossa caminhada, é por conta de nossa falta de reflexão existencial.

Santo Agostinho, o bispo argeliano, em seu tempo já refletia sobre este problema: "os homens se vão a contemplar os topos das montanhas, as vastas ondas do mar, as amplas correntes dos rios, a imensidão do oceano, o curso dos astros, e não pensam em si mesmos." (AGOSTINHO, 1955).
“Conseguimos fotografar Marte, mas ainda não deciframos nossos defeitos. Descobrimos novas espécies, mas não descortinamos nossas tendências. O exterior nos deslumbra, o interior nos atemoriza. E com isso seguimos, muita vez pronunciando palavras ásperas, verbos envenenados, difamação irresponsável – facetas de uma mesma causa”. (GELERNTER, 2007)

Se por um lado temos responsabilidades diante da palavra e de acordo com a forma com que realizamos a comunicação de nossas idéias, temos, quando conhecedores da Doutrina Espírita, tais responsabilidades muito mais ampliadas. Reconhecemos, ao estudarmos Espiritismo, que toda a pedagogia Espírita é voltada para o amor. Sua metodologia prevê o foco no educando, promovendo, através da empatia, a construção do conhecimento. Neste campo não cabe a forma agressiva de se comunicar.

Diz-nos Kardec que se reconhece o verdadeiro espírita “pela sua transformação moral e pelos esforços que faz para domar as suas más inclinações" (KARDEC, p. 171).

Vale citar que, buscando desculpar tais atitudes, costumamos explicar nossa agressividade verbal como sendo resultado de uma ‘vontade boa’: a de nos fazermos compreender pelos que “pensam de forma errada”. Ledo engano. Impossível impulsionar algo para o bem utilizando-nos do mal.

Toda expressão desequilibrada reflete a essência daquele que a pronuncia. E não há aprendizagem positiva com ações negativas. A única aprendizagem possível, através de exemplos deploráveis, é a imitação dos mesmos métodos, o que promove a manutenção do problema.

E é nesta linha de pensamento que vários Benfeitores Espirituais, através de Médiuns idôneos, nos esclarecem:
Desta feita, destaca-se, no e do mundo, a literatura espírita que, embora inserida no âmbito da arte, pode ser levada à arte divina, uma vez que seu conteúdo é a Revelação. Com isso, não se consorcia senão à Verdade e seu estilo é, e precisa ser, elegante, instrutivo, lúcido, pacificador, consolador, moralizante e respeitador”. (PEREIRA, p. 28)

Toda obra Espírita, todos os textos redigidos dentro do âmbito Espírita, devem ser revestidos de amor, mesmo que seja para tratar de assuntos da mais alta gravidade, ou ainda para a defesa de idéias ou pessoas.

Não podemos admitir que a palavra, articulada ou escrita, promova o mal, a desarmonia, o desequilíbrio, pois “torna-se inútil a elevação dos objetivos, sempre que haja rebaixamento moral nos meios”. (EMMANUEL, p.24).

Salientemos ainda, que a firmeza nas idéias não se traduz por ataques. Podemos ser firmes em nossas opiniões sem, contudo, sermos deselegantes, deseducados.

“(...) o expositor espírita representa o próprio Espiritismo bem como o movimento espírita. Assim, tudo que o expositor disser ou fizer repercutirá, ante o público, em favor ou descrédito para a Doutrina e a coletividade espíritas. Se realiza bem o seu trabalho, consegue, junto ao público, os objetivos visados pela divulgação doutrinária. Se sua atuação se ressente de graves falhas (doutrinárias, morais ou técnicas), deixa de agradar aos ouvintes, não lhes passa a mensagem espírita corretamente e não os motiva ao progresso moral”. (LUZ, p. 3).

Compreendemos, portanto, que todo aquele que abraça a Doutrina ensinada pelos Espíritos Superiores e codificada por Allan Kardec, deve buscar se comportar de acordo com o conhecimento doutrinário que possui, ou seja, não deve tentar ensinar algo, atuando de forma equivocada.

Finalizando, destacamos, novamente em Emmanuel: “A imprensa espírita cristã representa um veículo de disseminação da verdade e do bem”. (EMAMNUEL, p. 26).

Não devemos abrir mão destes cuidados quando nos comunicamos com o mundo a nossa volta. Recordemos que a responsabilidade está de acordo com nossos conhecimentos e que, quanto maior o nosso conhecimento, maior nosso compromisso diante de Deus.

Claudia Gelernter -  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Referências Bibliográficas

AGOSTINHO, Santo. Confissões . Tradução de J. Oliveira e A. Ambrósio de Pina. Livraria Apostolado da Imprensa, 5ª edição. Porto, Portugal, 1955
CRISTIANO, E./ pelo Espírito de Yvonne Pereira; A Pena e o Trovão; A Importância do Conhecimento Espírita; Campinas, SP, Ed. Allan Kardec, 2010
GELERNTER, C. Estudo do Falatório, artigo disponível no site Somos Todos Um, no link: http://www.stum.com.br/clube/artigos.asp?id=9662, acessado em 15 de maio de 2011.
KARDEC, A.; O Evangelho Segundo o Espiritismo; pelo Espírito de Lázaro A Lei de Amor, tradução de Salvador Gentile, IDE, 365ª edição, Araras, SP, 2009.
____________ O Evangelho Segundo o Espiritismo; capítulo XVII, Sede Perfeitos, tradução de Salvador Gentile, IDE, 365ª edição, Araras, SP, 2009.
LUZ, C.E.C; artigo O que É uma Exposição Espírita, disponível no site Portal do Espírito, através do link: http://www.espirito.org.br/portal/artigos/celuz/cursos/como-fazer-palestra.html, acessado em 16 de maior de 2011.
XAVIER, F. C.; Conduta Espírita, por Emmanuel, Ed FEB, Rio de Janeiro, 21ª edição, 1998.
_____________ Nosso Lar, Espírito Andre Luiz, Ed. FEB, Rio de Janeiro, 2005.

 

Por: Cláudia Gelernter


Cadastre-se em nosso informativo
  1. Nome
    Digite o seu nome
  2. Email(*)
    Digite o seu email
  3. Captcha
    Captcha
      RefreshInvalido

 

Pesquisa

Receba o Informativo

  1. Nome
    Digite o seu nome
  2. Email(*)
    Digite o seu email
  3. Captcha
    Captcha
      RefreshInvalido

PodCast do Miécio

PodCast Espirita no. 20 - Obsessão, desobsessão

PodCast Espirita no. 20 - Obsessão, desobsessão

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/ooZ0N1)     No...

PodCast Espirita no. 19 - Mudanças na terra, como agir?

PodCast Espirita no. 19 - Mudanças na terra, como agir?

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/LT27eq)     No...

Podcast no.: 18 - Deficiências, por quê?

Podcast no.: 18 - Deficiências, por quê?

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/5V1Vug)     No...