Nadja do Couto Valle

Ainda há um quase estranhamento ocidental diante do desapego característico do pensamento oriental, porque nossa cultura é de posse, de apego, e enquanto os budistas, por exemplo, exercitam-se no desapego, como, aliás, também fazemos nós, os espíritas, o mundo ocidental não incorpora a morte como parte da vida, pensando-se nela mais como um castigo.

Conclui-se então que devemos educar também para a morte, para a perda, o que implica mudança de percepção, de hábitos, de escala de valores.

 

A Doutrina Espírita nos ensina que diariamente fazemos esse tipo de exercício, quando damos repouso ao corpo físico, numa espécie de “treinamento” para o momento de nossa desencarnação. Já a experiência de quem parte é tratada/exemplificada por Kardec em O céu e o inferno ou A Justiça Divina segundo o Espiritismo, enquanto que a de quem fica é abordada em O Evangelho segundo o Espiritismo, particularmente em se tratando da perda de pessoas amadas e de mortes prematuras. Essa é uma grande dificuldade para a maioria das criaturas, mesmo em se tratando de adultos.

A Mentora Espiritual Joanna de Ângelis nos adverte para o fato de que sentimos falta do corpo, da voz etc. de quem desencarnou e, observamos nós, também do partilhamento ou mesmo da dependência de várias ações e providências próprias de quem partiu.

Ora, se essa experiência já é tão marcante para adultos, ela por certo é particularmente tocante para a sensibilidade infantil, tão ligada ainda aos referenciais de concretude, como, aliás, nos informa a psicogenética de Jean Piaget. Ele nos fala dos diversos estágios por que passa o desenvolvimento do indivíduo, que apresenta estruturas variáveis como formas de organização da atividade mental, sob um duplo aspecto: motor ou intelectual, e afetivo, que, por sua vez, apresentam-se nas duas dimensões, individual e social (interindividual).

A experiência da perda de um ente querido, para a criança, repercute fundamente em seu psiquismo, pois, como o próprio Piaget pontua, desde o período pré-verbal, há “um paralelo constante entre a vida afetiva e a intelectual” e destacamos que a perda é muito particularmente sentida nos períodos dos dois aos sete anos (1ª. infância) e na infância dos sete aos doze anos.

Toda perda gera luto, que sempre provoca sensação de tristeza, desinteresse pelo mundo externo, perda da capacidade de amar e lidar com aspectos práticos da vida. As pesquisas classificam vários tipos de luto, mas destacamos o luto da criança, assunto delicado e desafiador, mesmo para educadores, do qual abordamos alguns aspectos principais, em uma linha de educação para a perda.

Por exemplo, variando as coisas e/ou o modo de fazê-las, preparando a criança para viver a mudança; dando a ela a oportunidade de ver os pais, avô, avó, tios, primos, dando atenção a outras pessoas, com isso afastando-se física e psicologicamente dela, assim ensinando a adaptação ao afastamento; estimulando-a a ser independente e a exercitar a criatividade para encontrar soluções como novas maneiras de fazer as coisas.

Como a informação a respeito do fenômeno da morte, nos encontros de ação evangelizadora e no culto do Evangelho no lar, não elimina a dor da perda, há cuidados, providências e comportamentos dos adultos que se recomendam: não subestimar as perdas infantis (como a queda do sorvete ou o brinquedo quebrado); comunicar a perda real ocorrida na família, pois esse é um direito da criança, mas como dizer?

Em primeiro lugar, não usar eufemismos, como “o titio foi para o céu” etc., do contrário a criança vai ficar esperando que ele volte, mas pode acabar ficando com raiva, pois ele não se despediu dela, não telefona, não passa e-mail etc.; quanto ao comparecimento ao funeral, é aconselhável deixar a sensibilidade de a criança escolher, e se ela se arrepender não repreendê-la, mas cuidar para que ela se afaste do cenário sem qualquer comentário negativo; explicar a causa da morte – salvo em caso de situações chocantes, como suicídio, assassinato, carbonização etc. – para que ela não fique eventualmente com sentimento de culpa por ter dito, em algum momento, que “desejava” a morte do tio (no caso de nosso exemplo), pois às vezes as crianças – e até os adultos – dizem coisas desse tipo, sem intenção, obviamente. Nos dias subsequentes, adultos devem deixar transparecer, com equilíbrio, a sua dor diante das crianças, e cuidar para que a criança não fique com a impressão de que a família ficou sem controle: ela precisa sentir-se segura; por isso, não se deve tomar qualquer decisão que reforce o sentimento de perda da criança, como mudá-la de casa e/ou transferi-la da escola (sempre que possível, naturalmente), mas deve-se manter a rotina o mais inalterada possível; evitar a postura de que ela é “coitadinha”; e não censurá-la se apresenta agitação motora ou baixo rendimento escolar, distração, hiperatividade ou desorganização, falta de apetite e/ou de vontade de brincar etc. Se esses sintomas se prolongarem, recomenda-se consulta a especialistas.

Enfim, reafirmar sempre a esperança, e deixar claro para a criança que todos vamos desencarnar um dia, que toda desencarnação tem uma causa, que a vida real é diferente de filmes, novelas e desenhos animados, nos quais os protagonistas voltam fisicamente da morte. Mas assegurar que todos continuamos a viver em outro plano, e que o reencontro com nossos afetos está garantido pelo amor de Deus e de Jesus. 

http://espiritaespiritismoberg.blogspot.com.br/2013/02/a-crianca-e-o-luto.html


Cadastre-se em nosso informativo
  1. Nome
    Digite o seu nome
  2. Email(*)
    Digite o seu email
  3. Captcha
    Captcha
      RefreshInvalido

 

Pesquisa

Receba o Informativo

  1. Nome
    Digite o seu nome
  2. Email(*)
    Digite o seu email
  3. Captcha
    Captcha
      RefreshInvalido

PodCast do Miécio

PodCast Espirita no. 20 - Obsessão, desobsessão

PodCast Espirita no. 20 - Obsessão, desobsessão

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/ooZ0N1)     No...

PodCast Espirita no. 19 - Mudanças na terra, como agir?

PodCast Espirita no. 19 - Mudanças na terra, como agir?

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/LT27eq)     No...

Podcast no.: 18 - Deficiências, por quê?

Podcast no.: 18 - Deficiências, por quê?

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/5V1Vug)     No...