Pais e filhos - Amor em ação

Muitos pais desejam saber qual o momento certo para ensinar seus filhos a orar.

A criança aprende a orar ouvindo nossas orações e orando conosco. Antes mesmo que a criança compreenda as palavras da oração, é importante que você ore com ela, desenvolvendo o hábito de orarem juntos todos os dias.

Juntos, vocês podem agradecer a Jesus pela comida do bebê. Ao colocar seu filhinho no berço, faça uma oração para que ele tenha uma boa noite de sono.

Pais que agem assim não têm de se preocupar sobre quando começarão a orar com seus filhos. Além disso, têm o conforto de saber que, durante toda a vida de seus filhos, oraram por eles e com eles. Nunca é cedo demais para começar a orar com uma criança. Eis alguns exemplos para você começar:

Leia mais...

Entre os impedimentos para a auto identificação, no período da adolescência, destaca-se a rejeição.

Caracterizado pelo abandono a que se sente relegado o jovem no lar, esse estigma o acompanha na escola, no grupo social, em toda parte, tornando-o tão amargurado quão infeliz.

Sentindo-se impossibilitado de auto realizar-se, o adolescente, que vem de uma infância de desprezo, foge para dentro de si, rebelando-se contra a vida, que é a projeção inconsciente da família desestruturada, contra todos, o que é uma verdadeira desdita. Daí ao desequilíbrio, na desarmonia psicológica em que se encontra, é um passo.

Os exemplos domésticos, decorrentes de pais que se habituaram a usar medicamentos sob qualquer pretexto, especialmente Valium e Librium, como buscas de equilíbrio, de repouso, oferecem aos filhos estímulos negativos de resistência para enfrentar desafios e dificuldades de toda a natureza. Demonstrando incapacidade para suportar esses problemas sem a ajuda de químicos ingeridos, abrem espaço na mente da prole, para que, ante dificuldades, fuja para os recantos da cultura das drogas que permanece em voga.

Leia mais...

Nadja do Couto Valle

Ainda há um quase estranhamento ocidental diante do desapego característico do pensamento oriental, porque nossa cultura é de posse, de apego, e enquanto os budistas, por exemplo, exercitam-se no desapego, como, aliás, também fazemos nós, os espíritas, o mundo ocidental não incorpora a morte como parte da vida, pensando-se nela mais como um castigo.

Conclui-se então que devemos educar também para a morte, para a perda, o que implica mudança de percepção, de hábitos, de escala de valores.

Leia mais...

A conduta educacional dos pais espíritas para com os filhos adolescentes não poderá ser a mesma que se processou quando eles eram crianças. O adolescente tem a mente mais aberta, já começou o despertar dos diversos novos impulsos em seu mundo íntimo – o inconsciente profundo: o instinto sexual, os desejos amorosos, as tendências para determinado vício ou para nobre atividade, os primeiros sonhos, as fantasias nascidas da mente profunda, o sentimento de viver cada vez mais a liberdade, os complexos e frustrações provindos de vidas passadas, a vontade de imitar os mitos, heróis, líderes e atores; a atração para participar e viver o que o vasto mundo da sociedade global mais lhe chama a atenção.

Leia mais...

A educação é fundamental. Somos espíritos lidando com espíritos 

Morel Felipe Wilkon

Você valoriza a educação das crianças? Quer o melhor para elas? Acredita que o futuro pode ser melhor graças a elas?

Só alguém muito insensível para não se emocionar ao ver um bebê sorrindo. Mas as crianças crescem rápido, deixam de ser bebês em pouco tempo, e exigem um bocado de esforço por parte dos pais ou responsáveis por sua educação.

Esse é o ponto: educação. O que você acha que é educar uma criança? Ensinar bons modos, noções de urbanidade? Pedir por favor, com licença e dizer obrigado é importante, mas isso qualquer bandido é capaz de fazer.

Comparação ruim? Bandidos também foram bebês, provavelmente bonitos e frágeis, como são os bebês. Não é preciso compartilhar do pensamento espírita, nem ter noções de psicologia para saber que há casos excepcionais em que a educação, por melhor que tenha sido, e por mais eficiente que pudera ser com outras crianças, não consegue bons resultados sempre. Mas são exceções, não a regra.

Leia mais...

É bastante comum nos dias de hoje, o comentário de pais, professores e, da sociedade em geral sobre o comportamento indisciplinado de crianças e jovens de todas as faixas etárias; palavrões, brigas, desrespeito aos mais velhos, desleixo, indiferença, preguiça, teimosia, iniciação sexual precoce, gravidez na adolescência, fumo, bebida, pichações, etc., entre outros tantos exemplos que podem ser citados, que caracterizam esse comportamento inadequado que infesta nossa sociedade em todas as suas camadas, não sendo privilégio de negro, branco, rico, pobre, sexo feminino ou masculino.

Infelizmente, olhando o problema de forma neutra e raciocinada, chegaremos à triste conclusão de que nós pais somos os grandes responsáveis pelo comportamento equivocado de nossas crianças e jovens, pois eles são tão somente o reflexo de uma sociedade desordeira que ajudamos a construir, investindo tudo na formação intelectual dos nossos filhos e esquecendo-nos de que eles são antes de tudo filhos de Deus, seres eternos, trazendo consigo tendências e aptidões, que devem ser lapidadas por todos nós responsáveis perante Deus pela sua educação e aprimoramento.

Leia mais...

 Em diversos lugares de “O Livro dos Espíritos” e do “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Allan Kardec e os Espíritos da Codificação falam da responsabilidade dos pais pela educação dos filhos.

Na questão 208 de “O Livro dos Espíritos”, está escrito que: o Espírito dos pais tem a missão de desenvolver o dos filhos pela educação; isso é para ele uma tarefa. Se nela falhar, será culpado.

Na questão 582, lemos igualmente que este dever implica, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade para o futuro.
Em todos os momentos em que este assunto é trazido à baila, ressalta a seriedade do compromisso espiritual assumido pelos pais e mães, de possibilitar a um Espírito a chance de encarnar naquele núcleo familiar.

Leia mais...

Quantos jovens ainda irão se suicidar porque não são aceitos como são?

Quantos serão espancados e mortos porque simplesmente não se identificam afetivamente com o sexo oposto?

Tempos atrás, se a garota engravidasse, era ponto comum mandá-la embora de casa, sob a alegação de que ela tinha desonrado o “bom” nome da família.

Muitos garotos foram postos porta afora, por excessiva delicadeza no falar, e por gostarem de coisas de menina.

A lista da crueldade humana é grande e seria cansativo enumerá-las.

Leia mais...

O assunto é muito interessante e atual, e muitos jovens sofrem verdadeiro bombardeio psicológico por causa dessas práticas.

Toda e qualquer opinião que se possa emitir sobre assuntos polêmicos como esse deve ser pautada na imparcialidade.

Galera, se liga!

Muita gente quando fala a respeito de tatuagens e piercings termina por expressar uma opinião pessoal e preconceituosa.

Há muitos anos vinculava-se tatuagem e outros tipos de adereço a marginais e pessoas de má vida. Do mesmo jeito que muitos ainda acreditam que aqueles que mantêm relações homoafetivas são pessoas promíscuas e aberrações da natureza.
            
Comportamentos promíscuos independem de sexo, ou do uso de tatuagens ou piercings.
           
Esses preconceitos estão muito vinculados a questões culturais de muitos e muitos anos, e também à ignorância a respeito do assunto.
            
Sabemos que o que atrai os espíritos são os nossos pensamentos, isso é algo indiscutível.
           
Piercings e tatuagens não definem o caráter de ninguém, muito menos as companhias espirituais.

Leia mais...

Estudar a mediunidade é muito importante para os jovens, pois essa capacidade sensorial não está limitada a essa ou àquela idade.

Se existem jovens médiuns, onde eles estão, já que não se vê nos dias atuais médiuns juvenis participando de grupos mediúnicos?

Segundo Allan Kardec em O Livro dos Médiuns, capítulo XIV – Item 159:
Médium é toda pessoa que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos. Essa faculdade é inerente ao homem e, por conseguinte, não constitui um privilégio exclusivo. (Edição FEB – Tradução Evandro Noleto Bezerra).

Allan Kardec expressa, de maneira clara, que mediunidade não é privilégio, e toda pessoa que sente num grau qualquer a influência dos espíritos é médium.

Já na obra O Livro dos Espíritos, questão 459, ele pergunta aos espíritos:
Os Espíritos influem em nossos pensamentos e em nossos atos? Muito mais do que imaginais, pois frequentemente são eles que vos dirigem.

Leia mais...

Galera! Sabemos que o mundo dos pensamentos e energias exerce força poderosa em nossas vidas.

Quem nesse mundo acredita que faça qualquer coisa sozinho vive iludido.

Paulo, apóstolo, já nos informou que vivemos cercados por uma nuvem de testemunhas.

Portanto, qualquer coisa que fizermos trará consequências para nossas vidas.

Necessitamos compreender e aceitar a grande realidade do mundo que nos cerca.

O mundo espiritual não é “lá”, estamos mergulhados nele, pois ele preexiste ao mundo material.

Leia mais...


Cadastre-se em nosso informativo
  1. Nome
    Digite o seu nome
  2. Email(*)
    Digite o seu email
  3. Captcha
    Captcha
      RefreshInvalido

 

Pesquisa

Receba o Informativo

  1. Nome
    Digite o seu nome
  2. Email(*)
    Digite o seu email
  3. Captcha
    Captcha
      RefreshInvalido

PodCast do Miécio

PodCast Espirita no. 20 - Obsessão, desobsessão

PodCast Espirita no. 20 - Obsessão, desobsessão

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/ooZ0N1)     No...

PodCast Espirita no. 19 - Mudanças na terra, como agir?

PodCast Espirita no. 19 - Mudanças na terra, como agir?

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/LT27eq)     No...

Podcast no.: 18 - Deficiências, por quê?

Podcast no.: 18 - Deficiências, por quê?

  .. Download   No computador     Download mp3 (https://goo.gl/5V1Vug)     No...