fbpx
HomeInformativoGente que faz e aconteceA poeira que o Autismo ajudou a retirar
Sexta, 26 Abril 2013 00:58

A poeira que o Autismo ajudou a retirar

Quando a minha filha mais nova nasceu eu tive de me refazer.

Quando um filho nasce, também nasce – de novo se preciso – uma mãe.

A gente renasce sempre, infelizes aqueles que não se fazem e refazem a cada novo evento, a cada novo dia. Não tem nada pior do que o mesmo do mesmo. Nós e nossas certezas...  

Belo aprendizado eu tive. Me achava o máximo da tolerância, preconceito é coisa de gente ignorante, de quem não tem humanidade, eu pensava. Mas quando a sombra da deficiência da minha filha começou a me meter medo, o pavor veio de onde? Eu estava realmente apavorada e era por medo da rejeição.


Agora, quem saía do padrão era eu! Minha vida sob os olhares.   Claro, proteger minha menininha era instinto, amor de mãe é infinitamente superior a orgulho ferido, mas lá no fundo, eu calava, acuava, escondia sob o pó aquele bordão que ridicularizei por anos: “o que vão dizer?” Me envergonhar diante dos olhares quando minha filha gritava e se debatia nos shoppings da vida... Por que??? Qual a razão de não querer fugir ao padrão imposto?

Hoje, percebo o quanto renasci, o quanto cresci, o quanto aprendi que ainda tenho muito a aprender. Foi preciso muita coragem para olhar no espelho e enxergar estas mazelas, difícil confessá-las! Porém, hoje me sinto até mesmo grata com o infeliz que passa pensando que não sei educar, quanto sou grata à minha menina por não se deixar moldar e me dizer que existem tantas formas de dizer. Por fim, sou grata ao Autismo, não pelo que ele faz com minha filha, mas pelo que fez comigo, quebrando paradigmas cristalizados e transparentes, me dando a chance de me refazer.  

Às vezes, quando minha filha se comporta diferente, quando ela empurra, ou se intromete, nos momentos de alegria intensa quando seu corpo se retorce e as mãozinhas se agitam, todos os olhares se voltam: que esquisito, devem pensar. Olho para os olhares e devolvo com um sorriso calmo: esquisito não, Autismo! Expressão diferente e, não menos bela, do que essa sua postura ereta, seu comportamento normal. Minha filha tem um jeito diferente de ser, um jeito de quem não busca apenas ter.  

Os rótulos feio, bonito, inadequado, esquisito, estranho, diferente são dados pela lente que está nos olhos do expectador. Minha filha é livre na sua expressão, ela não pretende chocar, ela não quer ofender, ela é como é, corajosa e livre como uma borboleta.   Aprendendo tudo isso. Sigo me completando, sem julgar quem ainda não está disposto a aprender, procurando ainda sob o pó, os restos dos preconceitos que ainda teimam em se esconder. Será que é por me limpar assim que hoje vejo cores que antes não via?    

Por: Fausta Cristina Reis

 

Last modified on Sexta, 26 Abril 2013 19:30

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Os que foram para o lado de lá e voltaram para contar




    Fonte:
    Vozes Espíritas - Por: Wellington Balbo

    A médica suíça Elisabeth Kübler Ross (08 de julho de 1926 – 24 de agosto de 2004), passou décadas ao lado de pacientes em estado terminal. Sua experiência a fez escrever o livro “Sobre a morte e o processo de morrer”, em que apresenta o modelo de Kübler Ross a informar familiares e amigos de doentes terminais na melhor maneira de conviver com a situação.

    Read more...
  • A morte dói?

     




    Por:
    Orson Peter Carrara

    Quando morre alguém, sentimo-nos todos tomados por um sentimento de perda e dor. É natural, gostamos da pessoa e desejamos que continue vivendo conosco. Mas, a morte é a única certeza da vida e está enquadrada nos acontecimentos normais da existência de todo mundo. A todo instante, partem jovens e velhos, sadios e enfermos…

    Read more...
  • O tempo no plano espiritual

     




    Fonte:
    Letra Espírita - Por: Juliana Procopio

    É muito comum em momentos de despedidas após o desenlace de um ente querido ou uma pessoa conhecida que esteve doente, por exemplo, ouvirmos as pessoas se referirem a quem partiu com a expressão, “em fim descansou”.

    Read more...
  • A saúde pode ser afetada pela obsessão?




    Fonte:
    O Consolador - Por: Orson Peter Carrara

    Desafio está em conhecer a origem dos casos

    Uma interessante matéria publicada por Allan Kardec na Revista Espírita (1) utiliza a expressão loucura obsessional. O texto, que recomendamos aos leitores, é um estudo sobre os Possessos de Morzine, uma localidade em determinada região francesa, alvo de carta endereçada ao Codificador pelo capitão B. (membro da Sociedade Espírita de Paris e naquele momento radicado na cidade de Anecy). Allan Kardec publicou a carta na edição de abril (2), seguida de instruções dos Espíritos Georges e Erasto e ainda acrescentou lúcido comentário sobre a questão. Depois, na edição de dezembro (3), voltou ao assunto, desdobrando-o em bem argumentada análise.

    Read more...
  • Depressão em jovens e adolescentes




    Fonte:
    Correio Espírita - Por: Fátima Moura

    Tenho ouvido muitos relatos de pais e familiares preocupados. A depressão entre jovens, adolescentes e até crianças parece estar aumentando de modo assustador e o assunto também tem sido focado em nossas palestras, sempre que somos convidados a falar sobre temas ligados à família.

    Read more...

Clube do livro




Todo mês um livro novo em sua casa.
Clique aqui e cadastre-se.

Clube do livro



Conheça nosso clube do livro.


Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato