fbpx
HomeInformativo EntrevistasMauricio de Sousa fala sobre o livro Meu Pequeno Evangelho.
Terça, 25 Novembro 2014 20:48

Mauricio de Sousa fala sobre o livro Meu Pequeno Evangelho.

1. Qual é a importância em fazer um livro, que fala do Evangelho, com a Turma da Monica?
R- Todos os ensinamentos que levam à reflexão da paz e amor são importantes em nossas histórias. A Turma da Mônica sempre traz esses conceitos de solidariedade, de saber conviver com os diferentes e do respeito ao ser humano, independentemente de suas crenças, etnias ou origens. Em primeira análise, nossas historias são um lazer, uma diversão, mas sempre com muita informação, sobre os mais diversos temas. Daí a importância de estar em projetos como esse do Evangelho.

2. A Mônica é mais conhecida pela sua força, mas também pelo amor que demonstra ter a seus pais e amigos. Você acha que uma obra que reforça temas como amor aos pais, amor aos animais, caridade e perdão, retratados no livro, possa coroar todos esses anos?
R- Como já disse, temos a certeza de que a criança gosta de se divertir. E se for aprendendo, melhor ainda. Sabemos que nossas histórias informam e formam nossos leitores. E vamos continuar assim.

 

3. Com os personagens mais conhecidos do Brasil, a obra ensina a importância de praticar o bem e a caridade, de respeitar o próximo e a natureza, de se conhecer e de compartilhar seus "tesouros". Você acredita que falar isso para as crianças de hoje, poderá contribuir na formação um mundo melhor?
R- Sem dúvida. A criança tem curiosidade de saber sobre o mundo em que vivemos. Nós, adultos, temos a missão de entregar essas informações para elas. Cabe a nós poder passar o que elas podem fazer para melhorar, ou consertar, o que fizemos no nosso mundo.

4. Em uma das histórias da Magali, você a apresenta em uma de suas vidas passadas, em um momento que revelaria o motivo pelo qual ela tem essa obsessão por comida. De onde você pegou essa inspiração?
R- Em histórias em quadrinhos, temos uma licença poética que nos dá centenas de possibilidades. Um personagem pode ter superpoderes ou invadir o passado em busca de aventura. E não fechamos nenhuma porta a esses conhecimentos da própria alma, que é mais livre ainda quando se é criança.

5. Temas relacionados à morte, reencarnação e ressurreição geralmente são tratados nas histórias do Penadinho e da Dona Morte. O que o influenciou na criação desses personagens?
R- A Turma do Penadinho veio para desconstruir o medo da morte e do desconhecido. Pelo humor, podemos passar uma visão mais positiva, que é valorizar a vida em detrimento da morte.

6. No livro Meu Pequeno Evangelho a Turma da Mônica recebe a visita de André, um primo do Seu Antenor (o pai do Cascão) que é espírita. Em meio à curiosidade das crianças, ele apresenta conceitos do Evangelho que todos podem usar no dia a dia, independentemente da religião que praticam. Como você observa isso?
R- Como a Turminha é formada por crianças, que estão na fase de aprendizado de tudo na vida, precisávamos de um interlocutor que passasse pra elas as informações corretas. De uma maneira suave, lúdica e sem jamais impor qualquer preceito religioso.


 

 

 

7. A MSP já tem lançado livros com editoras católicas. Este é o primeiro com uma editora espírita. Como a MSP observa isso?
R- Nossa visão de vida é a que permeia todas as religiões. Lidamos com leitores que têm crenças diferentes, mas todos estão juntos pela paz e a solidariedade entre os povos. Portanto, não há problema algum de um católico ler um livro espírita ou vice-versa. Conhecer as outras religiões é um ganho para quem quer viver em sociedade e conhecer seu próximo, independentemente da religião que segue.

8. Em Meu Pequeno Evangelho estão reunidos todos os ensinamentos de Jesus contidos no Evangelho segundo o espiritismo. Você tem tido algum contato com os ensinos ou livros espíritas?
R- Sou católico e também um homem de comunicação. Tenho obrigação de ter conhecimento de tudo o que vou comunicar aos leitores. Tenho que ter informações pesquisadas em fontes de credibilidade, para que não informe errado às pessoas. No Brasil, temos não só livros como pessoas na religião espírita que transcendem as fronteiras da própria religião, como o Chico Xavier, por exemplo. Aprendi a respeitar todas as religiões na rua da minha infância, em Mogi das Cruzes onde havia famílias de vários cantos do mundo. Árabes, japoneses, italianos... e cada qual com sua religião. Nós, crianças, brincávamos todos juntos. E em alguns momentos aproveitávamos as portas sempre abertas das casas para entrarmos e tomarmos um suco, comermos um pedaço de bolo. Exercitávamos a cordialidade, o companheirismos, o respeito pelo ser humano, as crenças de cada um. Sem preconceitos de raça, cor ou religião.

9. Qual é a expectativa que se espera de um livro que mostra os preceitos do Espiritismo aplicados a pessoas de qualquer crença?
R- A mesma de quando entramos no projeto: entendemos que com palavras podemos levar ensinamentos de paz e amor a todos os leitores de qualquer crença.

10. Você poderia deixar uma mensagem destinada aos pais, que vão adquirir o livro Meu Pequeno Evangelho?
R- Pais que mostram a seus filhos um caminho do bem, independentemente da religião, são os melhores professores da vida. Um bom adulto é resultado direto da boa educação na infância.

11. Você poderia deixar uma mensagem destinada para as crianças, que vão ler o livro com os ensinamentos de Jesus?
R- Jesus foi um homem que mudou a história do mundo. Veio para dizer coisas que influenciam nossas vidas até hoje. Então é importante conhecer sua história, tomar conhecimento de suas mensagens.


Entrevista concedida por Mauricio de Sousa aos autores Ala Mitchell e Luis Hu Rivas.
https://www.facebook.com/meupequenoevangelho

Last modified on Terça, 25 Novembro 2014 20:52

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Exemplos arrastam




    Fonte:
    Centro Espírita Amigos do Bem - Por: Marcelo Henrique

    “E o que fizeres a um destes pequeninos, é a mim que o fazeis”, Yeshua.

    Foi pelas redes sociais, mais especificamente pelo Instagram, que conheci a história que passo a relatar.

    Read more...
  • Os pais, os jovens e as drogas




    Por:
    Wellington Balbo

    Uma das grandes preocupações do mundo contemporâneo é pertinente às drogas, ou, melhor dizendo, o envolvimento dos jovens, nossos filhos, com elas.

    Read more...
  • Por que os sensitivos se sentem mal perto de algumas pessoas?




    Fonte:
    Resilienciamag

    Os sensitivos são seres humanos que possuem sensibilidade emocional aumentada.

    Esse conceito foi apontado pela psicóloga Dra. Elaine Aron em 1991, que apontou através de estudos que entre 15% e 20% da população mundial possui esse tipo de sensibilidade mais aflorada porque os seus cérebros processam informações sensoriais de forma diferente e por isso possuem habilidades e expressas de maneira mais intensas que os demais.

    Read more...
  • A existência da magia negra




    Fonte: Portal do Espírito Por: José Queid Tufaile

    O assunto Magia Negra ainda não foi convenientemente estudado pelos praticantes do Espiritismo. Há espíritas que não acreditam na possibilidade da existência dos conjuros, ou trabalhos feitos, como é conhecida a Magia Negra. Mas, um estudo cuidadoso da teoria de O Livro dos Espíritos, e de algumas citações feitas por Allan Kardec na Revista Espírita, mostra que essas manobras mediúnicas, com a finalidade de prejudicar o próximo, são perfeitamente possíveis.

    Read more...
  • Existe morte por acidente?


    Por: Fernando Rossit

    Muitas mães, aflitas e saudosas, procuram a Casa Espírita para se informar a respeito das causas espirituais dos acidentes, notadamente com veículos, que vitimaram seus filhos.

    Read more...

Clube do livro




Todo mês um livro novo em sua casa.
Clique aqui e cadastre-se.

Clube do livro


Conheça nosso clube do livro.


Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato