fbpx
HomeInformativoAtualidadesQuando as Crianças Morrem Cedo: Deus é injusto?
Sábado, 05 Mai 2018 00:56

Quando as Crianças Morrem Cedo: Deus é injusto?

 



FONTE: O ESTUDANTE ESPÍRITA

Falar sobre desencarne de crianças é sempre uma tarefa complicada e delicada, pois não dá pra comparar a dor de ver um ente querido, ainda na fase da infância, partir.

Entendo que a revolta que isso traz é muito comum, mas mesmo sendo uma coisa comum de ocorrer, devemos sempre combater este sentimento com todas as forças. O sofrimento é praticamente inevitável, mas entender as palavras do Evangelho é fundamental para não culparmos a Deus.

 

Não! Deus não é injusto com as famílias que veem seus pequenos partirem. Não! Deus também não é o culpado por isso. Prefiro deixar de lado esse julgamento de culpados versus inocentes para podermos entender o que verdadeiramente nos interessa. Para isso, sugiro que assista o vídeo abaixo:

E como diz O Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo IV quando fala-se de Perda de Pessoas Amadas e Mortes Prematuras, podemos ver que logo no início a descrição de frases que as pessoas costumam falar frequentemente, quando estão de frente a um caso morte de crianças:

“Quando a morte vem ceifar em vossas famílias, levando sem consideração os jovens em lugar dos velhos, dizeis freqüentemente: “Deus não é justo, pois sacrifica o que está forte e com o futuro pela frente, para conservar os que já viveram longos anos, carregados de decepções (…)”

Diante dos dizeres acima, será que Deus é realmente injusto? Será que ele sacrifica crianças no lugar de pessoas mais velhas? Calma! Vamos continuar o desenrolar dessas falas:

“(Deus) leva os que são úteis e deixa os que não servem para nada mais; fere um coração de mãe, privando-o da inocente criatura que era toda a sua alegria”.

Obviamente, não somente o coração da mãe, mas o de toda a família sai machucado, porém o Espiritismo tenta nos ensinar a ver luz onde só queremos enxergar fatalidades:

“Criaturas humanas, são nisto que tendes necessidades de vos elevar, para compreender que o bem está muitas vezes onde pensais ver a cega fatalidade.”

O Evangelho também tenta abrir nossos olhos para dizer que nossa mente ainda é muito limitada para entender que o nosso jeito de entender a justiça é por vezes diferente da Justiça Divina. Muitas vezes, queremos que Deus é que se ponha a obedecer nossas vontades. Adverte-nos também que todo tipo de coisa que nos ocorre, mesmo que muito ruins, tem um motivo justo no fundo e que não poderia ser de um jeito melhor a nossa vontade:

“Por que medir a justiça divina pela medida da vossa? Podeis pensar que o Senhor dos Mundos queira, por um simples capricho, infligir-vos penas cruéis? Nada se faz sem uma finalidade inteligente, e tudo o que acontece tem a sua razão de ser. Se perscrutásseis melhor todas as dores que vos atingem, sempre encontraria nela a razão divina, razão regeneradora, e vossos miseráveis interesses representariam umas considerações secundárias, que relegaríeis ao último plano.”

E vejam como o texto do Evangelho é interessante! Ele nos adverte até do nosso ponto de vista que não consegue se desvencilhar de tudo o que é material:

“É uma terrível desgraça, dizeis, que uma vida tão cheia de esperanças seja cortada tão cedo! Mas de que esperanças querem falar? Das esperanças da Terra onde aquele que se foi poderia brilhar, fazer sua carreira e sua fortuna? Sempre essa visão estreita, que não consegue elevar-se acima da matéria!”

Last modified on Sábado, 05 Mai 2018 00:56

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • "Marcas de nascença" e a reencarnação


    Por: Eurípedes Kühl

    Alguns registros espíritas sugerem que determinados fatores físicos podem indicar a presença de reencarnação decorrente de ato específico em vida passada:

    Marcas de nascença
    - No livro “Entre a Terra e o Céu”, 13ªEd., 1990, FEB, RJ/RJ, o autor espiritual André Luiz (psicografia de Chico Xavier) diz-nos à pág 186 que os “sinais de nascença” decorrem da associação de mente a mente entre mãe e filho, na fase da gestação, proporcionando à Natureza completar o serviço que lhe cabe no tempo. E acrescenta:

    Leia mais...
  • Destino ou livre arbítrio?


    Por: Eduardo Rossatto

    Destino é, nas palavras de André Luiz em "A vida continua", a soma dos nossos próprios atos. Na doutrina espírita, esta palavra é raramente usada, pois ela denota passividade e o espírito é sempre senhor do seu destino através do que chamamos de "livre-arbítrio". Segundo a questão 872 do "Livro dos Espíritos", livre-arbítrio é a liberdade do espírito em fazer a escolha da existência e das provas (quando ainda desencarnado) e a faculdade de ceder ou de resistir aos arrastamentos a que todos nós somos submetidos (quando encarnado). Há muitas fontes nas quais podemos estudar sobre o assunto, como o excelente capítulo 3 da Terceira Parte de "O Espírito e o Tempo" de J. Herculano Pires, mas vamos focar nas questões 843 até 872 do "Livro dos Espíritos".

    Leia mais...
  • Médicos – “mecânicos“ de Deus

     


    Fonte: Euripedes kuhl
    Por: Euripedes Kuhl

    Figuradamente, considero que a mais perfeita máquina existente no planeta Terra é o corpo humano; dentre tantas, apenas outra das infinitas obras-primas do Criador.
    Máquina perfeita, maravilhosa, eficientíssima — única!

    Leia mais...
  • Por que Deus permite o sofrimento?




    Imagem: Pixabay
    Por: Eduardo Rossatto

    Aos olhos físicos, tudo é sofrimento. Para alguns, castigo de Deus; para outros, um grande enigma. Afinal, por que Deus permite o sofrimento, a fome, tragédias e doenças?

    Mas a nossa cegueira espiritual não consegue enxergar além da matéria, razão pela qual os homens questionam a Espiritualidade Superior. Allan Kardec também questionou, a fim de esclarecimentos, e a resposta do benfeitor na questão 123 do "Livro dos Espíritos" foi a seguinte: "Como ousa pedir contas a Deus de seus atos?"

    Leia mais...
  • Lado diverso da moeda




    Por:
    Orson Peter Carrara

    Durante algumas semanas publiquei algumas reflexões dos prejuízos causados pela falta de conhecimento do Espiritismo, levando pessoas a práticas e comportamentos completamente divorciados da genuína prática espírita. Tais abordagens foram motivadas pelos disparates observados, pelas ocorrências absurdas praticadas em nome de uma doutrina racional e especialmente tentando abrir os olhos daqueles que não conhecem os princípios do Espiritismo e se deixam levar por supostos médiuns e ditos líderes ou palestrantes que, abusando do livre-arbítrio, ameaçam, chantageiam, exigem, impõem ideias absurdas na compreensão dos legítimos ensinos da Doutrina Espírita. Não teve sentido de crítica, até porque todos estamos sujeitos a esses equívocos, inclusive quem aqui escreve, mas de ponderações que promovam coerência.

    Leia mais...

Cadastre-se em  nosso informativo :

 


 




Desde 2010 divulgando a Doutrina Espírita.

Sobre o instituto



O Instituto Beneficente Chico Xavier foi fundado no dia 04 de Setembro de 2010 na cidade de Itu - SP

O trabalho realizado pelo Instituto Chico Xavier é o de divulgar a Doutrina Espírita pela Internet e redes sociais, realizar Seminários e palestras espírita e também divulgar o livro Espírita, através do Clube do Livro Espírita Emmanuel.

Clube do livro

Conheça nosso clube do livro.

Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato