fbpx
HomeInformativoAtualidadesIndependência ou...
Domingo, 02 Setembro 2018 16:53

Independência ou...




FONTE: DR. ADOLFO BEZERRA DE MENEZES

Por:  Luiz Marini / Pintura de Pedro Américo em 1888

Contam os alfarrábios da história que, em 07 de setembro de 1822, às margens do rio Ipiranga, em São Paulo, Dom Pedro de Alcântara de Bragança, futuro imperador Dom Pedro I, bradou, com a espada na mão, o famoso grito de independência ou morte.

O Brasil colônia se emancipava de Portugal e assumia as rédeas de seu destino. Cumpria-se a promessa de se formar na América do Sul um país que seria, no futuro, o coração do mundo e pátria do Evangelho, no ensino de Humberto de Campos pelas mãos abençoadas de Chico Xavier.

O Brasil libertou-se do jugo de Portugal que, durante três séculos, extraiu as riquezas do país, como verdadeira colônia portuguesa. Cortaram o cordão umbilical com a pátria-mãe, mas ficaram por aqui outros que enriqueceram com os produtos de nossa terra.

A formação do povo brasileiro deu-se com a miscigenação de três raças principais: os europeus, os negros escravos e os índios. Formaram uma raça especial dando os caracteres do brasileiro nascido neste chão abençoado por Deus.

De 1822 até nossos dias construiu-se o Brasil no cabo da enxada, no arreio do burro, na ponta do facão, no ranger das rodas das carroças, na força do caminhão, no poder das plataformas de petróleo, no soar das turbinas dos aviões, na força do povo brasileiro.

Muitos construíram impérios com as mãos limpas, no trabalho honesto, enquanto outros tantos se locupletaram das possibilidades desonestas que apareciam à frente, fazendo com que o país não conseguisse levantar voo como o esperado, pois as ações criminosas destroem as instituições e não deixam que cresçam naturalmente como deveria ser.

Esses homens que não deixam o Brasil crescer, à proporção que deveria, são passíveis de justiça, e, se não pagam enquanto encarnados, quitam seus débitos depois ou em próxima encarnação, quando são cobrados pela justiça divina, que nunca falha.

Deixando à parte os usurpadores da pátria amada, enaltecemos o trabalho que aqui se realiza na preparação do Brasil como pátria do Evangelho, fato que acompanhamos, e, que, com satisfação, afirmamos que está acontecendo.

O Brasil é o país mais Espírita do mundo e quando a pessoa não é Espírita, tem respeito profundo por essa ciência, filosofia e religião, pois medo da morte todo mundo tem um pouco e o Espiritismo é o que melhor explica o mundo espiritual.

Se o povo seguisse realmente Jesus, e apenas Jesus, seria muito mais evoluído e não ficaria estacionado em dogmas que matam o Espírito, nem ficaria aprisionado em vãs perquirições sobre o Espírito que mais levam ao fanatismo que a qualquer outra coisa.

O processo de evolução está ocorrendo e os homens que forem bons haverão de continuar nascendo, vivendo, morrendo, renascendo ainda e progredindo sempre neste país maravilhoso. Eu digo aos amigos que o Brasil e o mundo são uma casa que Deus emprestou para o homem. O homem está maltratando nosso país e nosso planeta. Mas Deus está, lentamente, tirando esses agressores e levando-os a lugares que estejam de acordo com sua espiritualidade e deixando aqui aqueles que têm amor no coração.

Lembro-me das palavras de Jesus: “- Os mansos possuirão a Terra”. Separando os bons dos maus, os mansos haverão de possuir e viver na Terra por infindos séculos, pois Deus quer que o planeta deixe o estágio de “Provas e Expiações” e passe para a “Regeneração” onde apenas os de bom coração aqui permanecerão.

Muito mais que independência do Brasil, que o 7 de setembro signifique a mudança de comportamento do brasileiro, preparando-se, definitivamente, para galgar os degraus que levam à evolução em todos os sentidos.

Last modified on Domingo, 02 Setembro 2018 16:53

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Incorporação e possessão

     




    Fonte :
    Letra Espírita - Por : Silvio Junior

    Quando se fala em espiritualidade de modo geral, são diversos os temas tratados, onde por vezes alguns assuntos polêmicos dividem crenças e opiniões em relação a isso ou aquilo, no tocante a possíveis fenômenos observáveis através dos chamados “médiuns”, termo este criado por Allan Kardec durante a codificação do Espiritismo para identificar aqueles que serviam como meio de comunicação entre os planos material e espiritual.

    Leia mais...
  • Invigilância: a porta para a obsessão




    A existência dos fatores predisponentes - causas cármicas - facilitam a aproximação dos obsessores, que, entretanto, necessitam descobrir o momento propício da sintonia completa que almejam.

    Leia mais...
  • Suicídio inconsciente




    Fonte:
    Rádio Boa Nova - Por : Maria Izilda Netto

    Incontável o número de pessoas, em dado momento de suas existências, por motivos variados, resolveu que não era interessante continuar a viver.

    Fosse a existência contida nos limites do berço ao túmulo, sem dúvida, o suicídio seria a grande solução para os problemas e dores da Terra.

    Leia mais...
  • A tristeza segundo Deus


    Por: Eduardo Rossatto

    Segundo Paulo de Tarso na sua segunda carta aos Coríntios (7:10), há dois tipos de tristeza: a tristeza segundo Deus e a tristeza segundo o Mundo. A segunda é a lamentação, as queixas e o tédio. Sofrimento inútil que não é sublimado e que se perde na letargia.

    Leia mais...
  • Injustiça e maldade

     

    Por: Eduardo Rossatto

    Nem sempre é fácil testemunhar injustiças e maldade. O mesmo ocorreu com Simão Pedro em um determinado dia, cerca de onze anos após a crucificação do Mestre, como Humberto de Campos (Irmão X) relata no capítulo 23 da obra "Contos desta e doutra vida".

    Leia mais...

Cadastre-se em  nosso informativo :

 


 




Desde 2010 divulgando a Doutrina Espírita.


Clube do livro




Todo mês um livro novo em sua casa.
Clique aqui e cadastre-se.

Clube do livro

Conheça nosso clube do livro.

Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato