HomeInformativoArtigosSer Bom Sem Medo!
Domingo, 28 Outubro 2018 20:45

Ser Bom Sem Medo!




FONTE: Espirito.org

“Hoje posso exercer sem medo a minha bondade, mas antes, entrava na energia do pesar do outro, carregava seu mal-estar, me atrapalhava, ficava com más influências e ainda levava alguma culpa… Ser bom era um peso e um sacrifício!

 

Agora encontro o meu prazer de ser bom, de fazer bondade, porque não pego mais o pesar alheio, não me envolvo na problemática da situação, entendo a dor sem absorvê-la, dou o melhor do melhor de mim e fico bem. Ser bom é muito bom!”

Encontrar prazer no que se faz é uma habilidade como qualquer outra, cujo desenvolvimento, ampliação e aplicação depende da minha inteligência posta a favor de mim.

Habilidades podem, portanto, ser desenvolvidas e sempre que o fazemos sentimos o prazer da realização, por menor que seja. Já a rotina e o permanecer sempre igual, é desprazeiroso e tira a vontade de viver.

Mas ser bom é totalmente diferente de sustentar a crença de que “tenho que ajudar”, “tenho que fazer pelo outro”… para que algo melhore em minha vida. Esse pensamento é uma outra crença, a crença na barganha com Deus, e só cria desgosto e desânimo.

Fazer o bem por mim, por gosto, traz prazer, auto-realização e aí sim, tudo melhora na minha vida, porque me sinto bem comigo.

Se ajudo alguém e essa pessoa melhora, porque usou para si, o que lhe ofereci, isso também traz muito prazer. A vitória é da pessoa, mas dei minha colaboração e isso me faz bem.

Porém, se ajudo para ser caridosa, porque o outro é um coitadinho, porque precisa e eu tenho…. por medo de precisar amanhã… isso não me dá prazer porque é apenas um desencargo de consciência; quando não, foi por pura obrigação.

Caridade por dever não é a verdadeira caridade, aquele entendimento de que o outro é igual a mim e passa por dificuldades como eu passo. Nesse sentido a caridade é sinônimo de altruísmo, e não de esmola. Sim… o outro recebeu a ajuda, mas eu não cresci internamente, não participei desse momento que poderia ser benéfico para ambos.

Quando entendemos que somos Espíritos em evolução e que esta pode ser ajudada pelo discernimento e pelo amor por si mesmo, começamos a nos guiar pela auto realização, que sempre gera bem estar interior. É aquela postura de analisar como estamos pensando, como agimos e ir reciclando e modificando, com vistas a melhores resultados. Mas sempre se tratando com leveza, nada de cobranças e rigores…até porque já temos o conhecimento prévio de que errar faz parte do desenvolvimento do entendimento e das habilidades.

É um ato de bondade conosco e se espalha ao nosso redor, buscar em tudo que fazemos, o bem estar, o sentir-se bem. Além do mais, essa postura atende e acalma nossa carência de afetividade, sem ficarmos dependentes de que outros a satisfaçam. E isso nada tem a ver com egoísmo, vaidade, orgulho, hedonismo ou outro desses
distúrbios da personalidade. Sim, porque ela é como a fazemos ser e funciona conforme a direção que lhe damos. Mas dessas escolhas nos vem prazer ou desagrado…

Assim, a inteligência pode nos ajudar a encontrar caminhos mais fáceis ou difíceis e soluções mais simples ou complicadas, dependendo de como pensamos e do que queremos para nossa vida.

Ter bondade consigo mesmo, o que não é com passar a “mão na cabeça”, abre a visão sobre si mesmo, e podemos perceber que o outro, a família, os amigos, não nos darão tudo que precisamos. Essa é uma tarefa nossa!

Eles tem a parte deles em nossa vida, como nós na vida de cada um deles, mas o preenchimento das carências se faz pelo desenvolvimento de habilidades próprias para isso, encontrando os caminhos pessoais de atende-las e estabelecer paz interior. E isso traz os pontos de auto-realização que são o maior prazer que se possa ter.

Cada um, diz a orientação espiritual, não se sentirá bem enquanto não se sentir bem consigo mesmo!

Nota: muita gente tem preconceito ou dificuldades com o uso da palavra prazer, limitando seu significado a sexo, hedonismo, vacuidade de ser e materialismo. Mas ela tem um sentido amplo de satisfação pessoal, absolutamente necessária para uma vida saudável, seja espiritual, emocional ou fisicamente.

“É tão bom ser bom!” E somos bons quando não misturamos nosso sentimento com as necessidades do outro e não pegamos o pesar que ele sente; quando não entramos em seu drama, mas pomos a nossa luz para clarear sua mente e dulcificar seu coração.

Podemos convidar o outro a amenizar-se e sair da mente dolorosa, porque não misturamos nossas questões com as dele, não disputamos quem sofre mais ou teve a maior desgraça na vida e também não “xerocamos” seu modo de pensar e penar.

Frieza? Não!!! Bondade em ação!

Ser bom é muito bom mesmo. Mas precisa de força interior e de treinamento para não absorver o que é do outro, por mais que nos toque a sensibilidade.

– Escuto e fico na luz do meu melhor sentimento de amor, expandindo-a para aliviar a dor do outro. Esse é o meu papel agora!

Sei que o que passa faz parte de suas necessidades de crescimento e evolução espiritual, por isso mesmo ofereço amor, apoio e alguma ideia renovadora, se a pessoa der espaço para isso. Mas só alcanço esse objetivo, se souber não sentir pena, mas sim solidariedade; e para isso, não me permito assimilar as ideias sofredoras, amargas e nem
a manifestação dolorosa e até mesmo desesperada.

Muitas vezes, não “ouvimos” nosso íntimo dizer, diante de certas pessoas, que elas não querem colaboração nem ouvir nosso parecer, só querem falar. E também, não “ouvimos” o sinal de alerta, diante de outras, que querem terceirizar seus problemas, entregando-os para nós ou nos associando em seus projetos de auto piedade e auto
promoção do vitimismo, chegando ao vingativo em relação a outrem ou a vida.

Nesses casos, se o aviso íntimo não for atendido, acabamos nos envolvendo além da conta e o que dedicarmos a essas pessoas, que não seja neutro e consciente, poderá nos trazer complicações e até mesmo sermos culpabilizados por insucessos ou desarmonias advindos. Afinal, pusemos nossa colher no angu…

O que fazer quando percebemos o aviso? Ouvir e emitir sua bondade em forma de luz e paz, sentindo que ajuda, mas que a questão não é sua. No entanto, a situação serve de aprendizado sobre a natureza humana. Em vista disso, até mesmo pelo treinamento de neutralidade e solidariedade, não damos opinião, mas vamos dizer à pessoa que
medite mais sobre o assunto, que peça inspiração ao seu anjo de guarda porque assim, vai encontrar respostas adequadas e os melhores caminhos de solução. Todos recebem ajuda de bons Espíritos e com um pouco de calma, perceberá essa ajuda.

Ocorre que sempre que se dá uma opinião, envolvemo-nos na questão.Por isso, sentir como usar nossa bondade expressa em palavras e atos, é fundamental, se buscamos ser um pouco equilibrados e pessoas mais conscientes de si.

A ideia de fazer o bem sem olhar a quem, é correta se entendida em sua profundidade e não nessa superfície que é correr para fazer o que o outro quer. Porque muitas vezes, fazer o bem é nos calarmos ante a agressão gratuita ou a apelação melodramática; bem como, não nos envolvermos diretamente em questões onde Espíritos maldosos estão dominando, e nos arrolarão na discussão ou problemática, até porque, não temos autodomínio para evitar isso…Sempre há formas mais eficientes de ser bom!
Quem lê/estuda o Evangelho Segundo o Espiritismo como livro religioso, sagrado, entendendo que deve ser seguido cegamente ou haverá punição divina, além de estar negando a postura investigativa, científica de Kardec, não percebe que ser bom é um processo desenvolvido em si, que começa pelo entendimento de que o outro é seu
semelhante. E continua, com a compreensão de que não há coitadinhos e nem vítimas; todos estão crescendo na evolução espiritual, cada um no seu tempo, situação atual e habilidades adquiridas.

Por isso, ser bom não é fazer pelos outros, tirar-lhes os compromissos difíceis, segurar seus fardos ou crê-los injustiçados pelo mundo cruel. Mas é entender a dor alheia como fazendo parte das suas necessidades de aprendizado e maturação. E diante da possibilidade de colaborar, diga ou faça o que seu coração pedir, pondo luz nessa escuridão temporária. Se possível, leve uma ideia esclarecedora e libertadora, que ajude a pessoa a se equilibrar…

E só! Nada de querer doutrinar a pessoa que está em dificuldade. E nada de sentir se responsável pelo outro e nem com obrigação de carregá-lo no colo.

Até porque, as dificuldades de cada um são suas ferramentas evolutivas para perceber melhor como a vida funciona, abandonar ilusões e preconceitos, bem como descobrir o que precisa fazer, para se fortalecer e ganhar forças interiores.

Também pode acontecer que o modo de estudar o ESE seja isolando-o da Codificação, numa postura religiosa, como se ele não fosse parte integrante do trabalho de Kardec. No entanto faz, ou seja, seu conteúdo está estruturado nos Princípios do Espiritismo e contem o tríplice aspecto: deve ser estudado, analisado, as lições postas em prática, para se obter o desenvolvimento moral.

O fato de Kardec ter inserido textos ilustrativos em cada tema, após a sua análise das lições de Jesus, não significa que sejam o entendimento espírita e sim o do Espírito que escreveu, naquela época.

Ser uma boa pessoa, a partir das lições de Jesus à luz do Espiritismo, é saber-se um Espírito em evolução, que aprende um tanto em cada reencarnação e cujo entendimento está limitado e condicionado ao seu grau evolutivo. Se erramos ou não conseguimos ser tão bons como desejaríamos, isso não deve ser motivo de vergonha ou hipocrisia, mas encarado como a nossa condição atual, que poderá melhorar se nos empenharmos em aprender e em praticar o que aprendemos, sempre na medida do possível.

Quantas vezes, o uso equivocado da bondade, leva pessoas a fazerem dela um chicote pra espancar os erros alheios ou então, um discurso autoritário, cobrador, com ares de superioridade e cheio de ameaças. Tornam-se desagradáveis, insuportáveis…

Usam Jesus como apoio para suas pretensões e seu falso amor humanitário. Mas também, pode levar à fraqueza moral de ficar concordando com o que está errado, para evitar discórdia e por medo de ter que tratar do assunto; bem como, aceitar calado o intolerável, como se ser bom fosse ser bobo e conivente. A dor do desprezo e um grande
vazio interior são o resultado… Por isso, muita gente deduz que ser bom é mau, porque machuca, sacrifica e dói…

Esse viés do entendimento, desperta o medo da rejeição, do abandono; e pode levar à ideia de que o amor submete a pessoa aos outros e terá que viver refém da obrigação e do dever de ser boa, por sacrifício e sob pena de punição divina.

O entendimento espírita mais lúcido, vai para a certeza de que os Princípios do Espiritismo, sendo leis universais, esclarecem também as lições de Jesus e até ele mesmo, como sendo um Espírito mais evoluído e não um deus; o que nos afasta da noção de sagrado, dada pela religião dogmática aos evangelhos.

E sendo, como escreveu Kardec, um código de moral universal, a essência desses ensinos é “agirmos com o outro como queremos que ajam conosco”. Levada à prática do Bem, essa lição e os Princípios, indicam que cada um está num certo grau de evolução atual, e aceitar o outro como é, mesmo não apreciando e nem aprovando seu modo de ser, é o mais inteligente a ser feito. É uma das muitas formas de ser bom…

Sendo possível e havendo verdadeiro sentimento de fazer algo por alguém, façamos! Sem cobranças, obrigações, expectativas; só por amor. Quando não há esse sentimento, sem culpas ou temerosas preocupações, mandemos luz.

Ser bom por medo é ruim e faz mal para todos.

Ser bom com prazer é bom e faz bem para todos.

Last modified on Domingo, 28 Outubro 2018 20:45

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Entrevista com Rita Ramos Cordeiro

     


    FONTE: ESPIRITUALMENTE

    Nascida em Presidente Prudente/SP e residindo atualmente em Itu/SP, é escritora, articulista, redatora, diretora de divulgação e marketing do Instituto Chico Xavier de Itu e da ASDBNotícias. Também é coordenadora do Clube do Livro Emmanuel, que agrega associados de todo o Brasil.

    Casada e mãe de 01 filho, Rita faz parte do Centro Espírita de Itu e já publicou 03 livros:

    Leia mais ...
  • A naturalidade da morte trágica



    Por: Maria Thereza dos Santos Pereira - FONTE: Letra Espírita

    Quando conversamos com alguém que recentemente perdeu uma pessoa próxima, não raro dizem não esperar pelo falecimento dela, ainda que estivesse doente ou com idade avançada.

    Situações em que acontece a morte trágica, por motivo grave e repentino, principalmente quando o desencarnado possui tenra idade, a surpresa demonstrada pelos entes encarnados é ainda maior, pois manifestam além de tristeza, inconformismo e revolta de maneira muito acentuada.

    Leia mais ...
  • Desdobramento


    Por: Fernanda Oliveira - FONTE: Letra Espírita

    “Embora, durante a vida, o Espírito seja fixado ao corpo pelo perispírito, não é tão escravo, que não possa alongar sua corrente e se transportar ao longe, seja sobre a terra, seja sobre qualquer outro ponto do espaço.” (Allan Kardec, A Gênese, Cap. XIV)

    Leia mais ...
  • Os benefícios da água


    Por: Ricardo de Bernardi - FONTE: A CASA DO ESPIRITISMO

    A água é uma substância orgânica ou possui uma espécie de energia vital?

    A água não é uma substância orgânica, pois não possui a estrutura típica daquelas, também não possui o ciclo vital, - nascer, crescer, reproduzir, morrer. No entanto, é a substância mineral mais fantástica do Planeta, sem a qual não seria possível a vida em nosso orbe, daí dizer-se que a água é um "líquido vital". Dois terços da superfície da Terra são constituídos de água, bem como 70% de nosso corpo. Pelo seu peso molecular, deveria ser gasosa, mas, como cada molécula de água acha-se aderida a outras, por atração eletromagnética, aumenta sua densidade permitindo-se existir na forma líquida em estado natural. Um capricho inteligente da Lei Maior do Universo.

    Leia mais ...
  • Os primeiros sete anos da reencarnação do espírito




    FONTE: LIÇÕES DO ESPÍRITO 

    O período inicial da reencarnação do Espírito é decisivo na formação do seu caráter e da sua personalidade porque, nesse período da primeira infância, o Espírito “é mais acessível às impressões que recebe e que podem auxiliar o seu adiantamento, para o qual devem contribuir os que estão encarregados de educá-lo.”[1]. Os Espíritos Superiores ainda esclarecem, em "O Livro dos Espíritos", à questão 380, que a fase de perturbação que acompanha a encarnação do Espírito não cessa de súbito por ocasião do nascimento, mas que gradualmente se dissipa, com o desenvolvimento dos órgãos.

    Leia mais ...

Cadastre-se em  nosso informativo :

 


 




Desde 2010 divulgando a Doutrina Espírita.

Sobre o instituto



O Instituto Beneficente Chico Xavier foi fundado no dia 04 de Setembro de 2010 na cidade de Itu - SP

O trabalho realizado pelo Instituto Chico Xavier é o de divulgar a Doutrina Espírita pela Internet e redes sociais, realizar Seminários e palestras espírita e também divulgar o livro Espírita, através do Clube do Livro Espírita Emmanuel.

Clube do livro

Conheça nosso clube do livro.

Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato