fbpx
HomeInformativoPais e filhosA criança obsidiada
Domingo, 09 Fevereiro 2020 12:17

A criança obsidiada



Imagem/Reprodução-Pixabay

“Aliás, não é racional considerar-se a infância como um estado normal de inocência.
Não se vê em crianças dotadas dos piores instintos, numa Idade em que ainda nenhuma influência pode ter tido a educação?
Donde a precoce perversidade, senão da inferioridade do Espírito, uma vez que a educação em nada contribuiu para isso?”
(O Livro dos Espíritos, Allan Kardec questão 199-a.)

Crianças obsidiadas suscitam em nós os mais profundos sentimentos de solidariedade e comiseração.

Tal como acontece ante as demais enfermidades que atormentam as crianças, também sentimos ímpetos de protegê-las e aliviá-las, desejando mesmo que nada as fizesse sofrer.

Pequeninos seres que se nos apresentam torturados, inquietos, padecentes de enfermidades impossíveis de serem diagnosticadas, cujo choro aflito ou nervoso nos condói e impele à prece imediata em seu benefício, são muita vez obsidiados de berço. Outros se apresentam sumamente irrequietos, irritados desde que abrem os olhos para o mundo carnal. Ao crescer, apresentar-se-ão como crianças-problemas, que a Psicologia em vão procura entender e explicar.

São crianças que já nascem aprisionadas — aves implumes em gaiolas sombrias —, trazendo nos olhos as visões dos panoramas apavorantes que tanto as inquietam. São reminiscências de vidas anteriores ou recordações de tormentos que sofreram ou fizeram sofrer no plano extrafísico, antes de serem encaminhadas para um novo corpo. Conquanto a nova existência terrestre se apresente difícil e dolorosa, ela é, sem qualquer dúvida, bem mais suportável que os sofrimentos que padeciam antes de reencarnar.

O novo corpo atenua bastante as torturas que sofriam, torturas estas que tinham as suas nascentes em sua própria consciência que o remorso calcinava. Ou no ódio e revolta em que se consumiam.

E as bênçãos de oportunidades com que a reencarnação lhes favorece poderão ser a tão almejada redenção para essas almas conturbadas.

A Misericórdia Divina oferecerá a tais seres instantes de refazimento, que lhes chegarão por vias indiretas e, sobretudo, reiterados chamamentos para que se redimam do passado, através da resignação, da paciência e da humildade.

Na obra “Dramas da Obsessão”, Bezerra de Menezes narra a vida de Leonel, que desde a infância apresentou crises violentas, evidenciando a quase possessão por desafetos do pretérito. Este mesmo Leonel, já adulto e casado, acompanhou a espinhosa existência de sua filha Alcina, que como ele era obsidiada desde o berço.

Crianças que padecem obsessões devem ser tratadas em nossas instituições espíritas através do passe e da água fluidificada, e é imprescindível que lhes dispensemos muita atenção e amor, a fim de que se sintam confiantes e seguras em nosso meio. Tentemos cativá-las com muito carinho, porque somente o amor conseguirá refrigerar essas almas cansadas de sofrimentos, ansiando por serem amadas.

Fundamental, nesses casos, a orientação espírita aos pais, para que entendam melhor a dificuldade que experimentam, tendo assim mais condições de ajudar o filho e a si próprios, visto que são, provavelmente, os cúmplices ou desafetos do pretérito, agora reunidos em provações redentoras.

Devem ser instruídos no sentido de que façam o Culto do Evangelho no Lar, favorecendo o ambiente em que vivem com os eflúvios do Alto, que nunca falta àquele que recorre à Misericórdia do Pai.

A criança deve ser levada às aulas de Evangelização Espírita, onde os ensinamentos ministrados dar-lhe-ão os esclarecimentos e o conforto de que tanto carece.

O número de crianças obsidiadas tem aumentado consideravelmente. Há bem pouco tempo chegaram às nossas mãos, quase simultaneamente, cinco pedidos de orientação a crianças que se apresentavam todas com a mesma problemática de ordem obsessiva.

Um desses casos era gravíssimo.

Certa criança de três anos e alguns meses vinha tentando o suicídio das mais diferentes maneiras, o que lhe resultara, inclusive, ferimentos: um dia, jogou-se na piscina; em outro, atirou-se do alto do telhado, na varanda de sua casa; depois, quis atirar-se do carro em movimento, o que levou os familiares a vigiá-la dia e noite. Seu comportamento, de súbito, tornou-se estranho, maltratando especialmente a mãe, a quem dirigia palavras de baixo calão que os pais nunca imaginaram ser do seu conhecimento.

Foram feitas reuniões de desobsessão em seu benefício, quando se verificaram as origens do seu estado atual. Atormentada por muitos obsessores, seu comprometimento espiritual é muito sério.

As outras crianças mencionadas tinham sintomas semelhantes: acordavam no meio da noite, inconscientes, gritando, falando e rindo alto, não atendiam e nem respondiam aos familiares, nem mesmo dando acordo da presença destes.

Todas são menores de cinco anos.

Com a terapêutica espírita completa, essas crianças melhoraram sensivelmente, sendo que três retornaram ao estado normal.

Autor: Suely Caldas Schubert
Livro: Obsessão e Desobsessão

Last modified on Domingo, 09 Fevereiro 2020 12:23

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • "Marcas de nascença" e a reencarnação


    Por: Eurípedes Kühl

    Alguns registros espíritas sugerem que determinados fatores físicos podem indicar a presença de reencarnação decorrente de ato específico em vida passada:

    Marcas de nascença
    - No livro “Entre a Terra e o Céu”, 13ªEd., 1990, FEB, RJ/RJ, o autor espiritual André Luiz (psicografia de Chico Xavier) diz-nos à pág 186 que os “sinais de nascença” decorrem da associação de mente a mente entre mãe e filho, na fase da gestação, proporcionando à Natureza completar o serviço que lhe cabe no tempo. E acrescenta:

    Leia mais...
  • Destino ou livre arbítrio?


    Por: Eduardo Rossatto

    Destino é, nas palavras de André Luiz em "A vida continua", a soma dos nossos próprios atos. Na doutrina espírita, esta palavra é raramente usada, pois ela denota passividade e o espírito é sempre senhor do seu destino através do que chamamos de "livre-arbítrio". Segundo a questão 872 do "Livro dos Espíritos", livre-arbítrio é a liberdade do espírito em fazer a escolha da existência e das provas (quando ainda desencarnado) e a faculdade de ceder ou de resistir aos arrastamentos a que todos nós somos submetidos (quando encarnado). Há muitas fontes nas quais podemos estudar sobre o assunto, como o excelente capítulo 3 da Terceira Parte de "O Espírito e o Tempo" de J. Herculano Pires, mas vamos focar nas questões 843 até 872 do "Livro dos Espíritos".

    Leia mais...
  • Médicos – “mecânicos“ de Deus

     


    Fonte: Euripedes kuhl
    Por: Euripedes Kuhl

    Figuradamente, considero que a mais perfeita máquina existente no planeta Terra é o corpo humano; dentre tantas, apenas outra das infinitas obras-primas do Criador.
    Máquina perfeita, maravilhosa, eficientíssima — única!

    Leia mais...
  • Por que Deus permite o sofrimento?




    Imagem: Pixabay
    Por: Eduardo Rossatto

    Aos olhos físicos, tudo é sofrimento. Para alguns, castigo de Deus; para outros, um grande enigma. Afinal, por que Deus permite o sofrimento, a fome, tragédias e doenças?

    Mas a nossa cegueira espiritual não consegue enxergar além da matéria, razão pela qual os homens questionam a Espiritualidade Superior. Allan Kardec também questionou, a fim de esclarecimentos, e a resposta do benfeitor na questão 123 do "Livro dos Espíritos" foi a seguinte: "Como ousa pedir contas a Deus de seus atos?"

    Leia mais...
  • Lado diverso da moeda




    Por:
    Orson Peter Carrara

    Durante algumas semanas publiquei algumas reflexões dos prejuízos causados pela falta de conhecimento do Espiritismo, levando pessoas a práticas e comportamentos completamente divorciados da genuína prática espírita. Tais abordagens foram motivadas pelos disparates observados, pelas ocorrências absurdas praticadas em nome de uma doutrina racional e especialmente tentando abrir os olhos daqueles que não conhecem os princípios do Espiritismo e se deixam levar por supostos médiuns e ditos líderes ou palestrantes que, abusando do livre-arbítrio, ameaçam, chantageiam, exigem, impõem ideias absurdas na compreensão dos legítimos ensinos da Doutrina Espírita. Não teve sentido de crítica, até porque todos estamos sujeitos a esses equívocos, inclusive quem aqui escreve, mas de ponderações que promovam coerência.

    Leia mais...

Cadastre-se em  nosso informativo :

 


 




Desde 2010 divulgando a Doutrina Espírita.

Sobre o instituto



O Instituto Beneficente Chico Xavier foi fundado no dia 04 de Setembro de 2010 na cidade de Itu - SP

O trabalho realizado pelo Instituto Chico Xavier é o de divulgar a Doutrina Espírita pela Internet e redes sociais, realizar Seminários e palestras espírita e também divulgar o livro Espírita, através do Clube do Livro Espírita Emmanuel.

Clube do livro

Conheça nosso clube do livro.

Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato