fbpx
Domingo, 23 Fevereiro 2020 13:08

Carnaval




Imagem:
Pexels
Fonte : Jornal de Jundiaí
Por: Vania Mugnato de Vasconcelos

Não é raro ouvir de espíritas e religiosos não espíritas, quão negativo é o ambiente astral durante o Carnaval, fazendo com que alguns destes julguem quem aprecia a grande festa. Afinal, pensam, há abuso de bebidas, drogas, irresponsabilidade no trânsito, desregramentos no uso das forças sexuais e muitas outras, realmente causando repercussões de ordem material, física, moral e, porque não dizer, espirituais.

Todavia, seríamos ingênuos se imaginássemos que a força das coisas se limita ao mal que existe em determinados momentos e situações, assim como pensar que seríamos submetidos de forma involuntária a essas questões espiritualmente negativas, como vítimas inocentes. É preciso compreender melhor.

O Espiritismo esclarece que é pela afinidade, pela sintonia, que nos vinculamos energeticamente a outros seres, estejam encarnados (“vivos”) ou desencarnados (“mortos”). Sendo isso um fato incontestável para os espíritas, natural imaginar que uma pessoa problemática em determinada área estará em sintonia com semelhantes, tanto residentes do lado de cá quanto de lá da vida, pois a morte não modifica miraculosamente o caráter de ninguém.

Para quem duvida do alerta espírita de que estamos sempre em sintonia com os afins, lembramos que na própria bíblia, em Hebreus, cap. 12, 1, se diz “Portanto, também nós, considerando que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, desembaracemo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve (…)”. Sem dúvida, nunca estamos sozinhos!

Desse modo, o importante nessa época é alertar não contra a festa propriamente dita, mas contra a postura insensata, desequilibrada, inconsequente. A alegria, a música, a reunião de pessoas que compartilham momentos, a dança, nada disso por si só causa ou atrai o mal. O mal é atraído pelos pensamentos de luxúria, pelos atos irresponsáveis dos quais nos envergonharemos amanhã, pelas ações cujas consequências nos causarão sofrimentos e culpas.

O Carnaval pode ser uma festa bonita para quem tem alma vigilante e sintonia superior. Mas, pode ser a porta para futuras dores quando a pessoa esquece de respeitar-se e ao próximo, pois de forma alguma escaparemos da lei de causa e efeito que ativamos ao utilizarmos nosso livre-arbítrio.

Por isso, pule, cante, ria, alegre-se. Mas faça isso na presença de Deus.

VANIA MUGNATO DE VASCONCELOS é advogada, articulista e palestrante espírita.

Last modified on Domingo, 23 Fevereiro 2020 13:20

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Incorporação e possessão

     




    Fonte :
    Letra Espírita - Por : Silvio Junior

    Quando se fala em espiritualidade de modo geral, são diversos os temas tratados, onde por vezes alguns assuntos polêmicos dividem crenças e opiniões em relação a isso ou aquilo, no tocante a possíveis fenômenos observáveis através dos chamados “médiuns”, termo este criado por Allan Kardec durante a codificação do Espiritismo para identificar aqueles que serviam como meio de comunicação entre os planos material e espiritual.

    Leia mais...
  • Invigilância: a porta para a obsessão




    A existência dos fatores predisponentes - causas cármicas - facilitam a aproximação dos obsessores, que, entretanto, necessitam descobrir o momento propício da sintonia completa que almejam.

    Leia mais...
  • Suicídio inconsciente




    Fonte:
    Rádio Boa Nova - Por : Maria Izilda Netto

    Incontável o número de pessoas, em dado momento de suas existências, por motivos variados, resolveu que não era interessante continuar a viver.

    Fosse a existência contida nos limites do berço ao túmulo, sem dúvida, o suicídio seria a grande solução para os problemas e dores da Terra.

    Leia mais...
  • A tristeza segundo Deus


    Por: Eduardo Rossatto

    Segundo Paulo de Tarso na sua segunda carta aos Coríntios (7:10), há dois tipos de tristeza: a tristeza segundo Deus e a tristeza segundo o Mundo. A segunda é a lamentação, as queixas e o tédio. Sofrimento inútil que não é sublimado e que se perde na letargia.

    Leia mais...
  • Injustiça e maldade

     

    Por: Eduardo Rossatto

    Nem sempre é fácil testemunhar injustiças e maldade. O mesmo ocorreu com Simão Pedro em um determinado dia, cerca de onze anos após a crucificação do Mestre, como Humberto de Campos (Irmão X) relata no capítulo 23 da obra "Contos desta e doutra vida".

    Leia mais...

Cadastre-se em  nosso informativo :

 


 




Desde 2010 divulgando a Doutrina Espírita.


Clube do livro




Todo mês um livro novo em sua casa.
Clique aqui e cadastre-se.

Clube do livro

Conheça nosso clube do livro.

Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato