fbpx
HomeInformativoDoenças na visão espíritaCâncer, Prova ou Expiação?
Sábado, 20 Fevereiro 2021 23:27

Câncer, Prova ou Expiação?

 




Fonte: Letra Espírita - Por: Luciana Betencourt - Imagem: Pixabay

Como relatam ANDRADE e TIAGO (2016) no livro Esperança, “A vida é uma sequência de existências”; nada mais correto e justo que muitos danos e benefícios que adquirimos numa existência possam refletir-se na próxima.

Seguimos com as mesmas perguntas que, ao longo do tempo, mantém-se sem respostas, como as causas a muitas doenças. E nos perguntamos: “Câncer – Prova ou expiação? O que ocorre de negativo ou positivo em nossas vidas acontece por acaso? Por que algumas pessoas desenvolvem a doença e outras não?”. São questionamentos, dentre outros, que surgem constantemente e cujas respostas muitos almejam encontrar.

Com o avançar da ciência e o entendimento da existência do mundo espiritual, atualmente há uma relação “amigável” entre ambas, proporcionando-nos um melhor entendimento das patologias físicas e da alma, com a compreensão não somente de tratar o corpo, mas também o espírito e nossas emoções.

Quando pensamos ou falamos sobre doenças, percebemos como o assunto torna-se desconfortável e de uma grande complexidade a todos, possivelmente justificável pelo diminuto entendimento sobre a temática.

Dentre as pesquisas feitas em bases científicas sobre do tema, encontram-se informações do Instituto Nacional do Câncer (INCA, 2021), com explicações de causalidade associadas a uma alteração ocorrida no DNA celular, quando recebem orientações equivocadas para a realização de suas atividades. Conforme os dados, 80% a 90% dos casos que surgem de câncer estão relacionados a causas externas, tais como o meio ambiente, hábitos alimentares e o estilo de vida, associados a fatores intrínsecos do próprio indivíduo, que podem levar ao aumento no risco de surgimento de tal enfermidade.

Antes de adentramos na análise do assunto e respondermos ao longo do artigo, muitos desses questionamentos seriam impossíveis de ser abordados sem falarmos antes das aflições sequenciais que surgem nas pessoas que recebem o diagnóstico de forma inesperada. De início, durante o processo de aceitação da doença e tratamento, os indivíduos perpassam por algumas fases, sendo a negação, a primária. Neste ponto, o paciente, em seu estado de não absorção, nega a afirmação dos fatos a ele narrados, assim como o diagnóstico, solicitando uma segunda “prova” para ser um artifício refutável e comprobatório de erro, satisfazendo a parte descrente de sua compreensão e classificando tal cena como um simples “mal-entendido”. Quando se aceita o diagnóstico, a fase subsequente – a revolta – segue carregada de entendimento de injustiça Divina a uma vivência de boas ações e amor ao próximo, atrelada à caridade, como forma de espelho ao “bom homem” que descreve o Evangelho; e, como tal figura, este ser terreno seria imune às provas e expiações do planeta Terra, não sendo ele abatido por nenhuma calamidade física ou emocional.

Transpondo a fase da fúria, a barganha apresenta-se como um clamor convicto de sucesso e cura absoluta mediante quaisquer medidas terapêuticas à doença, com justificativas à manutenção da existência terrena às tarefas inacabadas ou à aquisição de bens materiais tão almejados. E é aí que esquecemos a real função desse período – o da exemplificação de todo o aprendizado de uma vida pautada na resignação e aceitação dos encargos de Deus ao nosso processo evolutivo. Ficamos, ao negar, carregados de más energias e baixas vibrações, possibilitando o adentrar de pensamentos ruins que culminam com a fase da depressão, onde a tristeza profunda e as lágrimas constantes cercam o indivíduo da perspectiva de seu imediato fim terreno.

Nesse cenário, outros problemas de cunho emocional começam a aparecer, tanto para quem recebe o diagnóstico como para os que convivem com o paciente, justamente pela não aceitação das comprovações científicas e espirituais. São poucos os que conseguem compreender e aceitar esse momento como mais uma prova de que aqui estamos sempre a evoluir.

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Os que foram para o lado de lá e voltaram para contar




    Fonte:
    Vozes Espíritas - Por: Wellington Balbo

    A médica suíça Elisabeth Kübler Ross (08 de julho de 1926 – 24 de agosto de 2004), passou décadas ao lado de pacientes em estado terminal. Sua experiência a fez escrever o livro “Sobre a morte e o processo de morrer”, em que apresenta o modelo de Kübler Ross a informar familiares e amigos de doentes terminais na melhor maneira de conviver com a situação.

    Read more...
  • A morte dói?

     




    Por:
    Orson Peter Carrara

    Quando morre alguém, sentimo-nos todos tomados por um sentimento de perda e dor. É natural, gostamos da pessoa e desejamos que continue vivendo conosco. Mas, a morte é a única certeza da vida e está enquadrada nos acontecimentos normais da existência de todo mundo. A todo instante, partem jovens e velhos, sadios e enfermos…

    Read more...
  • O tempo no plano espiritual

     




    Fonte:
    Letra Espírita - Por: Juliana Procopio

    É muito comum em momentos de despedidas após o desenlace de um ente querido ou uma pessoa conhecida que esteve doente, por exemplo, ouvirmos as pessoas se referirem a quem partiu com a expressão, “em fim descansou”.

    Read more...
  • A saúde pode ser afetada pela obsessão?




    Fonte:
    O Consolador - Por: Orson Peter Carrara

    Desafio está em conhecer a origem dos casos

    Uma interessante matéria publicada por Allan Kardec na Revista Espírita (1) utiliza a expressão loucura obsessional. O texto, que recomendamos aos leitores, é um estudo sobre os Possessos de Morzine, uma localidade em determinada região francesa, alvo de carta endereçada ao Codificador pelo capitão B. (membro da Sociedade Espírita de Paris e naquele momento radicado na cidade de Anecy). Allan Kardec publicou a carta na edição de abril (2), seguida de instruções dos Espíritos Georges e Erasto e ainda acrescentou lúcido comentário sobre a questão. Depois, na edição de dezembro (3), voltou ao assunto, desdobrando-o em bem argumentada análise.

    Read more...
  • Depressão em jovens e adolescentes




    Fonte:
    Correio Espírita - Por: Fátima Moura

    Tenho ouvido muitos relatos de pais e familiares preocupados. A depressão entre jovens, adolescentes e até crianças parece estar aumentando de modo assustador e o assunto também tem sido focado em nossas palestras, sempre que somos convidados a falar sobre temas ligados à família.

    Read more...

Clube do livro




Todo mês um livro novo em sua casa.
Clique aqui e cadastre-se.

Clube do livro



Conheça nosso clube do livro.


Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato