HomeInformativoGente que faz e acontece

Gente que faz e Acontece

Sexta, 21 Novembro 2014 19:11

A vida ensina

Eu sou Wesley Marlon Eto Willi e gostaria da compartilhar um pouco da minha experiência de vida!

Tudo começou quando me tiraram da minha mãe... Desse dia em diante eu sabia que minha vida não seria a mesma, pois eu sabia que iria viver em um lugar estranho sem ela.

Quando caiu a ficha da minha irmã mais velha, que nós nunca mais iríamos ter a mesma vida que tínhamos com nossa mãe, ela jurou que não iria deixar nada de ruim acontecer com a gente, que nunca iríamos nos separar!

Durante quatro anos eu acreditei nisso, até que minha irmã mais nova foi adotada.

Desse momento em diante eu percebi que nunca iríamos viver juntos como uma família pois um dia iríamos no separar. Mas sabíamos que sempre seriamos irmãos, independentemente do que acontecesse com a gente.

Domingo, 12 Outubro 2014 15:13

Cem anos e mil vestidos

A senhora Lillian Weber tem uma missão e nem pensa em parar seu trabalho voluntário.

Todos os dias ela faz um vestido para uma criança, que ela nunca vai conhecer.

Eles são recolhidos e enviados para meninas da África, por um grupo cristão chamado Pequenos vestidos para a África.

Nos últimos dois anos ela fez mais de oitocentos e quarenta vestidos, e planeja fazer mais de cento e cinquenta até dia seis de maio de 2015.

Nesse dia, Lillian vai completar cem anos de idade e será seu milésimo vestido.

É apenas uma daquelas coisas que você aprende como fazer e desfrutar, diz ela.

Lillian costura na Fazenda onde mora, em Scott County, Minnesota, Estados Unidos.

Domingo, 02 Fevereiro 2014 16:37

Depoimento - Renascendo das cinzas

Não nasci em berço espírita, entrei para a Doutrina Espírita pelas portas da dor, num momento de grandes questionamentos íntimos, quando me perguntava o motivo de minha existência.

Recém casado, feliz no casamento, bem amparado materialmente, tinha um bom emprego, onde era respeitado e valorizado pelo trabalho que exercia, mas aquilo não me bastava.

Eu acreditava que a vida era mais do que conforto material, mas não sabia onde buscar as respostas para meus questionamentos.

Me foi colocado nas mãos, O Livro dos Espíritos, o primeiro livro espírita que li.

Encontrei neste livro respostas para muitos questionamentos, porém, o conforto material e as facilidades da vida que eu levava falaram mais alto e desisti de minha busca, pois o aprendizado adquirido me levaria para um caminho de mudanças e renúncias que eu ainda não estava disposto a trilhar.

Tempos depois um problema de saúde me levaria a procurar ajuda numa Casa Espírita.

Sábado, 26 Outubro 2013 01:25

O que estou fazendo aqui?

Entrar no Instituto de Oncologia Pediátrica (Hospital do Câncer Infantil do GRAACC) hoje é fácil. Na primeira vez com o meu filho não foi. Eu já havia ido lá para tratar de uma parceria profissional e tinha achado o lugar meio encantado. Sabe aquela poesia que a gente enxerga quando lida com um problema que não é nosso? Crianças valentes, esperança e muita cor – isso era tudo o que eu via.

No dia em que levei meu filho para a primeira consulta tudo estava diferente. Não lembro de cor e também não lembro de esperança. Quando entrei na porta senti que meus pés já não tocavam o chão. Crianças carecas, amarelas, algumas chorosas, mães cansadas e muito, mas muito mais gente do que eu gostaria de ver. O lugar estava lotado. Pra todos os lados que eu olhava eu via a criança na qual eu não queria que meu filho se transformasse. Por que eu tinha que ir parar ali? Eu queria ir embora. Dei meu nome, fiz o cadastro, resignada. Pronto, agora meu filho tinha um prontuário “naquele lugar”.

Mantive distância de outros pacientes, ainda sem aceitar a situação. Eu observava. 

Uma adolescente bem magra vomitava muito na cadeira da quimioterapia e brigava com a mãe como se ela fosse a responsável por sua doença. Pobre mãe, eu pensei – ainda tentando me sentir falsamente distante daquele mundo “triste”. A realidade desabou na minha cabeça quando cheguei na porta da sala onde o Lorenzo seria tratado. Crianças com retinoblastoma. Várias. Sequelas. Várias. Me sentia em um inferno. Eu não queria estar ali. Eu não queria que meu filho estivesse ali. Olhei pra ele e vi aquele jeitinho inocente. Tontura. Me encostei na parede e baixei a cabeça. Lágrimas, muitas lágrimas caíram, mas procurei disfarçar para não chatear as mães das outras crianças.

Quando a minha filha mais nova nasceu eu tive de me refazer.

Quando um filho nasce, também nasce – de novo se preciso – uma mãe.

A gente renasce sempre, infelizes aqueles que não se fazem e refazem a cada novo evento, a cada novo dia. Não tem nada pior do que o mesmo do mesmo. Nós e nossas certezas...  

Belo aprendizado eu tive. Me achava o máximo da tolerância, preconceito é coisa de gente ignorante, de quem não tem humanidade, eu pensava. Mas quando a sombra da deficiência da minha filha começou a me meter medo, o pavor veio de onde? Eu estava realmente apavorada e era por medo da rejeição.

Quarta, 18 Janeiro 2012 15:35

Uma história de amor construída pelo bem


Dona Aparecida Conceição Ferreira, nascida na cidade de Igarapava, S.P. dedicou 40 anos de sua vida aos portadores do Fogo selvagem, veio de família pobre e não se intimou quando teve que deixa-lá de lado para cuidar dos doentes.

Construído pela Sra. Aparecida Conceição Ferreira com dinheiro de esmolas, sem nenhuma ajuda do governo, o Hospital passa por sérias dificuldades: os salários não são pagos desde janeiro e a dívida já chega a R$55.000,00.

O Lar da Caridade, também chamado de Hospital do Fogo Selvagem, ou Hospital do Pênfigo já chegou a atender 300 pessoas; hoje, mal consegue atender 20 pacientes.

A Sra Aparecida de 94 anos iniciou seu trabalho com os portadores do Fogo Selvagem ainda jovem, quando, enfermeira em um hospital, se recusou a negar tratamento a portadores dessa doença e os levou para casa, para cuidar deles.

Sem o apoio da família, ela passou a lutar para construir um local onde abrigar aqueles doentes, que eram tratados com desprezo e preconceito pela população uberabense. D. Maria em uma entrevista chega a contar que numa casa onde pediu esmola com seus doentes, a proprietária da casa, passou álcool nas grades do portão onde D. Maria apoiou as mãos.

Sem poder contar com a caridade do povo de Uberaba, D. Maria passou a viajar para São Paulo, onde pedia esmolas para seus doentes.

Anterior123Próximo

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Entrevista com Rita Ramos Cordeiro

     


    FONTE: ESPIRITUALMENTE

    Nascida em Presidente Prudente/SP e residindo atualmente em Itu/SP, é escritora, articulista, redatora, diretora de divulgação e marketing do Instituto Chico Xavier de Itu e da ASDBNotícias. Também é coordenadora do Clube do Livro Emmanuel, que agrega associados de todo o Brasil.

    Casada e mãe de 01 filho, Rita faz parte do Centro Espírita de Itu e já publicou 03 livros:

    Leia mais ...
  • A naturalidade da morte trágica



    Por: Maria Thereza dos Santos Pereira - FONTE: Letra Espírita

    Quando conversamos com alguém que recentemente perdeu uma pessoa próxima, não raro dizem não esperar pelo falecimento dela, ainda que estivesse doente ou com idade avançada.

    Situações em que acontece a morte trágica, por motivo grave e repentino, principalmente quando o desencarnado possui tenra idade, a surpresa demonstrada pelos entes encarnados é ainda maior, pois manifestam além de tristeza, inconformismo e revolta de maneira muito acentuada.

    Leia mais ...
  • Desdobramento


    Por: Fernanda Oliveira - FONTE: Letra Espírita

    “Embora, durante a vida, o Espírito seja fixado ao corpo pelo perispírito, não é tão escravo, que não possa alongar sua corrente e se transportar ao longe, seja sobre a terra, seja sobre qualquer outro ponto do espaço.” (Allan Kardec, A Gênese, Cap. XIV)

    Leia mais ...
  • Os benefícios da água


    Por: Ricardo de Bernardi - FONTE: A CASA DO ESPIRITISMO

    A água é uma substância orgânica ou possui uma espécie de energia vital?

    A água não é uma substância orgânica, pois não possui a estrutura típica daquelas, também não possui o ciclo vital, - nascer, crescer, reproduzir, morrer. No entanto, é a substância mineral mais fantástica do Planeta, sem a qual não seria possível a vida em nosso orbe, daí dizer-se que a água é um "líquido vital". Dois terços da superfície da Terra são constituídos de água, bem como 70% de nosso corpo. Pelo seu peso molecular, deveria ser gasosa, mas, como cada molécula de água acha-se aderida a outras, por atração eletromagnética, aumenta sua densidade permitindo-se existir na forma líquida em estado natural. Um capricho inteligente da Lei Maior do Universo.

    Leia mais ...
  • Os primeiros sete anos da reencarnação do espírito




    FONTE: LIÇÕES DO ESPÍRITO 

    O período inicial da reencarnação do Espírito é decisivo na formação do seu caráter e da sua personalidade porque, nesse período da primeira infância, o Espírito “é mais acessível às impressões que recebe e que podem auxiliar o seu adiantamento, para o qual devem contribuir os que estão encarregados de educá-lo.”[1]. Os Espíritos Superiores ainda esclarecem, em "O Livro dos Espíritos", à questão 380, que a fase de perturbação que acompanha a encarnação do Espírito não cessa de súbito por ocasião do nascimento, mas que gradualmente se dissipa, com o desenvolvimento dos órgãos.

    Leia mais ...

Cadastre-se em  nosso informativo :

 


 




Desde 2010 divulgando a Doutrina Espírita.

Sobre o instituto



O Instituto Beneficente Chico Xavier foi fundado no dia 04 de Setembro de 2010 na cidade de Itu - SP

O trabalho realizado pelo Instituto Chico Xavier é o de divulgar a Doutrina Espírita pela Internet e redes sociais, realizar Seminários e palestras espírita e também divulgar o livro Espírita, através do Clube do Livro Espírita Emmanuel.

Clube do livro

Conheça nosso clube do livro.

Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato